>

apoio

Classe Aplacófora
Aplaco-phora, que significa "que não possui concha", são raramente coletados sem grande esforço e gastos. Por não possuírem uma concha, não são integrantes de coleções particulares.

Estes animais são mais parecidos com vermes, com uma cobertura brilhante composta de inúmeros espinhos ou escamas formados de carbonato de cálcio, também conhecidos como escleritos. Cada espinho é espelido de maneira extra celular como nos poliplacófora. O processo se inicia com o encapsulamento de uma célula individual que cresce através da cutícula. Estes espinhos são compostos de aragonita, com excessão das espécies de Notomenia, que não possuem Carbonato de Cálcio.

Abaixo desta capa está o que literalmente o identifica como um molusco, uma rádula (embora algumas espécies não possuam). A rádula não parece ter a mesma função de raspador, com excessão das espécies da família Prochaetodermatidae. Existe uma boca anterior e posteriormente uma pequena cavidade do manto.

Informações sobre crescimento e maturidade sexual são escassas. Sabe-se que espécies de Prochaetoderma youngei atingem o tamanho adulto e torno dos 2 meses e sua maturidade sexual em 1 ano. Estas são informações de animais mantidos em tanques, já que a espécie vive em profundidades em torno de 2000 metros.

Rios(1994) informa a existência de 4 espécies no brasil: Neomenia herwigi, Falcidens sp., Scutopus cf. megaradulatus e Limifossor sp.

A classe está dividida em dois grupos: Solenogastres (Neomeniomorpha) e Caudofoveata (Chaetodermomorpha).

Solenogastres: possuem uma abertura ventral estreita onde está o pé, que não passa de uma protuberância ciliada sem músculos por onde se arrasta. São hermafroditas.

Caudofovetas: diferentemente dos Solenogastres estes não possuem um pé ou abertura ventral. São dióicos (sexos separados). A cabeça é geralmente separada do corpo por uma pequena constrição.

Ecologia
Esses animais podem ser encontrados desde a zona de marés até profundidades em torno de 9000 metros. Parecem ser bastante abundantes, embora sejam pouco estudados por viverem em águas profundas. Algumas espécies ocorrem em todo o mundo e algumas espécies até dominam a macro fauna local. Ocorrem desde o Ártico até a Antártida. Vivem em fundos lodosos, sobre hidróides ou octocorais.

 

Estrutura
São animais que variam de 1mm até 30 cm. Seus corpos variam do quase esférico, alongado, achatado e estreito.

 

Alimentação
São animais carnívoros e/ou ornívoros que se alimentam de foraminíferos, detritos e cnidários.

 

 

 

Glossário | Referências | Créditos | Copyright

© 2001 - 2017 Conquiliologistas do Brasil